segunda-feira, 4 de Março de 2013

Monkey Bread

As vezes me pego a pensar que tenho este blog apenas para ter acesso rápido a minha lista de blogs favoritos. Não que isto seja uma verdade, mas passo muito mais tempo olhando para os blogs maravilhosos que tenho listado logo ao lado do que produzindo material para o Na Tigela. O que mais admiro nos autores deste blogs não tem nada a ver com talento culinário, embora isso todos eles tenham de sobra, mas sim a continuidade de propósito que eles têm para manter por tantos anos blogs fantásticos e sempre actualizados.
Quem sabe um dia quando eu crescer, e me tornar "gente grande" neste mundo dos blogues, eu também consiga ter uma continuidade de propósito e uma periodicidade nas matérias daqui.
Enquanto isso peço desculpas aos leitores do Na Tigela, por essa autora relapsa que aqui vos escreve.


A receita de hoje veio  do lindíssimo e delicioso A Cozinha Coletiva escrito pelo Richie.
E é este pão doce lindo e divertido, extremamente macio, e de textura levíssima, e a parte caramelada forma uma casquinha crocante deliciosa!


Receita:

Ingredientes para a massa:

  • 50g de manteiga sem sal derretida;
  • 1 xícara de leite morno;
  • 1/3 da xícara de água morna;
  • 1/4 de xícara de açúcar refinado;
  • 1 pacotinho [de 10g] de fermento biológico seco;
  • 3 e 1/4 xícaras de farinha de trigo;
  • 2 colheres de chá de sal.
  • Manteiga para untar e farinha para a superfície de trabalho.

Ingredientes para montagem:

  • 1 xícara de açúcar mascavo claro (usei açúcar areado de cana);
  • 3 colheres de chá de canela em pó;
  • 100g de manteiga derretida fria;

Para a cobertura [opcional]:
  • 3/4 de xícara de açúcar impalpável;
  • 2 ou 3 colheres de sopa de água

Modo de Preparo:
Tenho uma máquina de fazer pão em casa, então mal me preocupei com o preparo da massa, coloquei todos os ingredientes na ordem indicada pelo fabricante da maquina (que no meu caso é primeiro todos os líquidos e depois os secos, e por ultimo o fermento) programei a opção de preparo de massa, sem a cozedura posterior, e vim escrever o rascunho para este post. Caso não tenha esta facilidade em casa pode fazer a massa com o auxilio de uma batedeira, como o Richie mostra em seu blog, ou manualmente.
Vai precisar amornar o leite e a água e derreter a manteiga. Misturar a farinha e o sal em uma tigela. Em seguida misture os líquidos com o açúcar e o fermento, faça um buraco ao centro dos secos e verta os líquidos. Comece a trabalhar a massa primeiro com o auxilio de um garfo e depois quando já tiver consistência apropriada com as mãos enfarinhando uma superfície e trabalhando a massa sobre ela. Quando tiver uma mistura lisa e homogénea unte com manteiga uma tigela faça uma bola com a massa e coloque dentro da tigela, cubra a mesma com um pano de prato seco e leve para levedar em local quente e sem correntes de ar e deixe até dobrar de volume, cerca de 1h.

Enquanto isto prepare a mistura de açúcar e canela em um potinho suficiente para passar uma bolinha de massa na mistura. E derreta a manteiga em outro pote. Aproveite também para untar a forma que vai utilizar. No meu caso não tinha uma forma grande com furo ao centro, por isso usei duas pequenas formas. 
Quando a massa tiver dobrado de volume coloque-a sobre uma superfície enfarinhada abra a massa com as mãos até ter mais ou menos um quadrado de 20cm de lado. Corte com uma faca bem afiada quadrados de massa. Para mim ajudou muito passar farinha sobre a lâmina da faca, assim os bocadinhos de massa grudavam menos. Transforme estes quadradinhos em bolinhas  e passe-as primeiro pela manteiga e em seguida na mistura de açúcar e canela e vá distribuindo na forma de bolo. Um truque que usei, foi colocar uma colher no potinho da manteiga, assim mergulhava a colher na manteiga, pegava uma quantidade moderada de manteiga e passava a bolinha sobre a colher, o que foi bem mais fácil do que mergulhar as bolinhas. Outro detalhe é que precisei de menos manteiga, sobrou quase metade da manteiga derretida que eu tinha.

Cubra a forma com pano de prato seco e limpo de deixe a massa crescer por mais 1 hora.
Em forno pré-aquecido a 180ºC até que a superfície fique dourado escuro e o caramelo comece a borbulhar nas laterais da forma, cerca de 35min.


Retire do forno. Deixe arrefecer por cerca de 5min e em seguida vire sobre um prato limpo, é importante que o caramelo ainda esteja liquido para conseguir desenforma-lo. No meu caso meu primeiro pão ficou com uma camada grudada na forma, aí para desenformar o segundo fiz a técnica utilizada para desenformar pudim de leite, que é ligar a chama do fogão e colocar a forma em cima da chama, por poucos segundos, aí sim desenformar. O segundo saiu perfeito!

Caso queira prepare a cobertura com o açúcar impalpável e agua e decore o pão (eu fiz em um dos meus, mas a mistura ficou muito rala e mal se nota).

Sirva quando já não estiver tão quente.


Dica: para tirar as fotografias com a mão cheia de manteiga e açúcar primeiro enrolei minha câmara com um guardanapo de papel, principalmente na base e com uma sobra para o botão da câmara, assim não a sujei inteira. 


Sabor:



Dificuldade:
Praticidade:

segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2013

Tiramissu - sem ovos

Esta receita estava aqui nos meus rascunho já faz uns bons meses (cerca de 4 O.O)
E resolvi publica-la já que ficou deliciosa!!!
______________

Para os aniversariantes aqui de casa eu sempre costumo fazer um bolo, farto em recheio e cobertura (e calorias), mas desta vez resolvi fazer algo um pouquinho diferente....
O aniversariante da vez foi o meu marido, e diga-se de passagem ele não é o maior fã de doces, por isso resolvi fazer algo que iria mais de encontro ao paladar dele. Como ele gosta bastante de café resolvi fazer um tiramissu.
No entanto eu iria fazer em uma sexta a noite para só comermos no domingo, e como as receitas tradicionais levam gema crua no creme, preferi ver se tinha como substituí-las por alguma outra coisa, para ser mais seguro para os comensais...
Assim encontrei esta receita que leva apenas Mascarpone e natas, e resolvi experimentar!

Receita:

  • 400g de biscoito champanhe
  • 500g de queijo mascarpone
  • 200g de natas para montar bem geladas
  • 400ml de café bem forte (pode ser um pouco mais ou um pouco menos de acordo com a textura que você preferir para os biscoitos)
  • 8 colheres de sopa de açúcar
  • 75ml de licor de sua preferência, ou rum (no meu caso usei vermute porque não tinha outra coisa em casa)
  • 3 colheres de sopa de cacau em pó
  • raspas de chocolate para decorar


A preparação é muito simples, comece por fazer o café bem forte, e coloca-lo em um recipiente fundo para ir arrefecendo.
Bata as natas com o açúcar até ficarem bem firmes, depois acrescente o mascarpone e bata mais uma vez para tornar a mistura homogénea.
Esta na hora de montar o tiramissu, para isso prepare o recipiente que irá utilizar, pode ser uma taça grande, ou pequenas tascinhas, para servir assim mesmo. No meu caso eu quis fazer em forma de bolo, por isso pequei em uma forma redonda com fundo removível, passei um pouco de manteiga e recortei papel manteiga para forrar bem o fundo e as laterais.
Para ficar um aspecto engraçado quando fosse servir peguei na metade dos biscoitos e parti ao meio.
Misture o café com o licor para banhar os biscoitos antes de montar o tiramissu.
Peguei cada metade e passei rapidamente na calda para que não ficassem demasiadamente moles, e montei-os em pé na lateral da forma(com a parte arredondada para cima), e fui distribuindo os lado a lado desta maneira, quando já tinha colocado cerca de 7 biscoitos eles começaram a pender para o centro da forma, para se manterem estáveis peguei em um biscoito inteiro, passei pela calda, e coloquei deitado na base da forma para escorar os demais. Procedi desta maneira até obter a circunferência toda recoberta pela metade dos biscoitos e na base um octógono formado por biscoitos inteiros, terminei portanto de fechar a base com os biscoitos, usando alguns inteiros, outros pela metade, de forma a cobrir toda a base da forma.
Com uma colher apliquei uma camada generosa do creme, até cobrir todos os biscoitos e ter a espessura da metade dos biscoitos laterais.
Polvilhei a superfície com cacau em pó e tornei a distribuir os biscoitos previamente humedecidos, mas agora em outro sentido diferente o da base (ou seja não fiz um segundo octógono).
Quando terminei cobri com outra camada generosa de creme, alisando bem com as costas da colher.
Cobri com película plástica e levei à geladeira até o momento de servir (que no meu caso demorou mais um dia e meio LOL)
Como havia sobrado creme e alguns biscoitos, peguei em forminhas individuais para mini cakes, forrei com película plástica e montei o tiramissu, mas de forma invertida, ou seja, primeiro creme depois biscoito, depois peneirei o cacau, coloquei mais creme e por fim a ultima camada dos biscoitos. Consegui fazer mais três pequenos tiramissu desta forma, mas como estava no final acabei deixando o biscoito por muito tempo na calda o que, na hora de desenformar, acabou por ter um aspecto um pouco escorrido... Nada que tivesse afectado o sabor... mas na próxima, apenas passo os biscoitos pela calda!
Na hora de servir é só polvilhar cacau em pó, ou chocolate ralado!

Infelizmente não comemos em casa o Bolo de Tiramissu, por isso não tenho fotos  :(
Mas as fotos aqui é de um dos mini (não tão mini assim) tiramissu que fiz com o excedente.

Apesar de ter escrito um texto bem longo a receita é bem fácil de se fazer, indico a todos que façam e experimentem!!!

Sabor:
Dificuldade:
Praticidade:

quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

O melhor Tabule que já comi!!!


Fiz esta receita já faz um bom tempo...
Enquanto ainda estávamos no alto Verão!
E as fotos ficaram aqui dando sopa...

A receita eu vi no Canal do Erik no YouTube, e aconselho vivamente para que vejam, pois ele ensina a cortar os legumes de forma a que seu tabule fique mágico!


Para quem não sabe o que é tabule a Wikipédia explica:
Tabule (em árabeتبولة [tab·’bu·leh]) é um prato libanês de salada, freqüentemente degustado como um aperitivo.
É basicamente feito de triguilho (trigo para quibe), tomatecebolasalsahortelã e outras ervas, com suco de limãopimenta e vários temperos.
No Líbano, onde surgiu, é consumido por cima de folhas de alface. É bastante popular principalmente no Brasil e na República Dominicana (onde é conhecido como tipili, devido à presença de imigrantes mediterrâneos)
É uma excelente pedida para dias muito quentes, por ser comida fria e por ser feita de legumes com muita água. E pode ser comida como prato único, já que por possuir trigo (muito rico em hidratos de carbono) não temos aquela sensação de fome pouco tempo depois de comê-la.

A receita o Erik já explicou, mas vou falar como eu fiz:

- 4 tomates médios
- 1 pepino grande
- 1/2 cebola grande
- cerca de 8 folhas grandes de alface
- 1 xícara de chá de trigo para quibe (facilmente encontrado em Portugal nas zonas dos produtos importados nos supermercados) 
- Azeite de Oliva Extra Virgem (o quanto queira)
- Sumo de limão (o quanto queira)
- Sal (o quanto queira)
- Um maço de salsinha
- Um maço de hortelã (não tinha, não usei)

Coloque o trigo para quibe em uma tigela grande e cubra com água morna para hidratar.
Corte os tomates em 4 partes e retire a sementes, depois pique em cubinhos.
Corte o Pepino ao meio, com a ajuda de uma colher retire as sementes, e depois pique em cubinhos.
Corte a cebola em cubinhos.
Junte todas as folhas do alface bem lavadas, faça um rolinho, e pique-as bem fininha.
Pique bem a salsinha e a hortelã.
Com a ajuda de um pano de prato limpo, escorra a água do trigo, feche bem o pano de prato como uma trouxinha, e torça para que fique bem seco. Junte ao restante dos ingredientes.
Tempere com azeite, sumo de limão e sal, e leve a geladeira ou sirva logo a seguir.
O facto de retirar as sementes do tomate e do pepino fazem com que o tabule não fique ensopado, o que garante uma textura crocante deliciosa.
Esta receita rendeu MUITO tabule... pode diminuir a quantidade para fazer menos caso queira.





Sabor:
Dificuldade:
Praticidade:

quarta-feira, 5 de Setembro de 2012

Kibe assado com Temperos da Turquia

Mais uma vez minha amiga Dani contribuiu com o Na Tigela!
Desta vez ela foi para a Turquia, e como souvenir me trouxe um set de temperos!!! Bem a minha cara, não?!
Quando abri o plástico que protegia a caixinha com os temperos ela exclamou: " - Que cheiro de Turquia!" e disse que estes cheiros de vários temperos juntos se espalha pelas ruas e mercados.

Loja na Turquia.  (Fotografia: Dani.)

Set de Temperos - Da esquerda para a direita temos: Açafrão Turco; Menta; Açafrão da Índia; Paprica Picante; Semente de Coentro; Cury Indiano; Pimenta; Cominho; Sumac; e Orégano 






Mas vamos deixar de conversa e ir logo para a Receita!

Kibe Assado:


800g de carne bovina magra(para estufar) picada 2 vezes
250g de trigo para kibe (encontra-se facilmente nos grandes supermercados na parte de produtos importados) - embora não tenha, ao final, utilizado tudo
sumo de 2 limões ou de 1 lima
1 cebola média ralada (no caso não utilizei porque uma pessoa chata que não gosta de cebola iria comer também =P)
1 colher de sobremesa de pasta de alho (também não utilizei pelo mesmo motivo)
2 colheres de sopa de azeite de oliva
1 maço pequeno de hortelã picada (não tinha, por isso utilizei a menta seca)
Sal e temperos à gosto, que no meu caso utilizei:
Menta seca, Paprica picante, Pimenta do Reino, Za'atar (já utilizei-o aqui), e Sumac.

O preparo é muito simples, coloque o trigo para Kibe de molho em água quente por cerca de 30min ou mais, até que ele hidrate e aumente seu volume. Reserve.
À parte, coloque a carne picada, a cebola, o alho, o sal, os temperos, o azeite e o limão e misture tudo muito bem, pode utilizar um garfo para isso ou mesmo as mãos bem limpinhas.
Escorra o trigo para Kibe, a melhor maneira é utilizar um pano de prato limpo, colocar o trigo dentro, e torcer até que saía toda a água. Após estar bem seco junte-o com a carne e misture tudo muito bem, até ter uma mistura homogénea de trigo e carne.
Coloque em um refratário, apertando bem. Para decorar faça, com o auxilio de uma faca, um desenho de losangos, e leve ao forno pré aquecido até que esteja assado e com a superfície levemente dourada.

Para acompanhar eu servi com um Tabule, que logo mais irei passar a receita cá.

Esta receita alimenta 4 pessoas com muita fome! rsrsrs

Sabor:

Dificuldade:




Praticidade:

sábado, 25 de Agosto de 2012

Mini Omeletes Assados


A dica veio da talentosíssima Valentina, autora do blog Trem Bom, e diga-se de passagem: esse trem é bom mesmo!!!

Abaixo segue a receita da Valentina, e acreditem em mim, a sigam desta forma, porque eu fui tentar substituir a manteiga por azeite e não deu muito certo... não que o sabor tenha sido prejudicado, mas o que aconteceu é que quando coloquei o omelete o azeite foi para o topo da forma, e ao assar transbordou, como também tive omeletisinhos grudados na forma.... trágico... 
Acredito que com a manteiga não aconteça nada disso, já que ela só vai começar a derreter quando os ovos já estiverem começando a assar...


Mini Omeletes
de uma das revistas do Jamie Oliver
Ingredientes: 
  • Ovos
  • Leite
  • Sal
  • Pimento do reino
  • Recheios a seu gosto
Preparo
Unte forminhas de muffin com manteiga derretida. Leve à geladeira para que a manteiga endureça por uns 15 minutos.
Ligue o forno -180oC.
Separe todos os ingredientes dos seus omeletinhos.
Ponha os ovos em uma vasilha seguidos do leite. Bata com um fouet e tempere com sal e pimenta do reino.
Quando o forno atingir a temperatura desejada retire a forma da geladeira, espalhe os ingredientes do seu omelete pelas forminhas e derrame a mistura de ovos entre as forminhas – só encha no máximo ¾ das formas.  Leve ao forno para assar por uns 15 minutos. Retire do forno, deixe esfriar na forma por uns 5 minutos antes de transferir para um pratinho. Sirva com uma saladinha ou como comida de piquenique.

Para os meus omeletes utilizei como recheio espinafre picado (daqueles congelados mesmo, claro que previamente descongelado), tomates em cubinhos (também compro congelado), milhos, queijo fresco picado em cubinhos, e um restinho de proteína de soja, que fico vos devendo a receita ;)
Mas é só usar a imaginação e o que há disponível na geladeira, que o resultado só pode ser estupendo!


Sabor:
Dificuldade:
Praticidade: 

quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Pudim de Bolo - Diga não ao desperdício!


Eu sei que o nome soa meio estranho...
Mas acreditem em mim, a receita não é tão estranha quanto se parece!

Sem querer muito, acabei por trazer para casa dois bolinhos (daqueles simples, comprados em supermercados) no final de uma confraternização.
Eu e meu marido comemos um pouco.... mas não tudo, e antes que eles estragassem e fossem parar no lixo precisava encontrar alguma coisa para fazer com eles e assim poder come-los.
Foi neste momento que me lembrei das receitas de pudim de pão, e pensei: bem se dá certo com pão, porque não daria com bolo?!

Portanto pesquisei algumas receitas, juntei um pouco daqui e outro tanto dali, e criei minha receita de pudim de bolo!

Utilizei mais ou menos 250g de um bolo de chocolate, com um certo aroma de laranja, e mais aproximadamente 100g de um bolo de nozes.
Desfiz os dois em um refractário, misturei-os bem, para ter pedacinhos de nozes por todas as partes, e apertei a mistura no fundo do refractário.
Aparte juntei 250 ml de leite, com meia xícara de açúcar (a qual eu podia ter reduzido drasticamente, porque no final ficou tudo um pouco doce de mais), e dois ovos grandes, acrescentei uma pitada de canela em pó e de gengibre em pó e bati tudo com uma varinha mágica. Despejei esta mistura sobre a base de bolo, esperei 10 minutos para que as partes mais durinhas do bolo amolecessem e levei ao forno baixo por aproximadamente 30 minutos (mas o resultado irá depender do ser forno... asse até ter uma camada levemente dourada)

O resultado foi bom, mas achei um pouco seco, podia ter posto mais leite e mais um ou dois ovos, fica a dica se for fazer ;)

Como a aparência não ficou das melhores resolvi fazer uma calda bem simples de chocolate, derretendo 100g de chocolate culinário (70% cacao) e 50 ml de água, isso mesmo! Eu usei água! lembrei daquela calda feita com achocolatado, manteiga, açúcar, e água e resolvi improvisar com chocolate e água, e no final deu certo, cobri o pudim de bolo e levei a geladeira até servir, mas o resultado ficou muito melhor no dia seguinte! ;)




Bom espero que tenham gostado da dica!

Sabor:
Dificuldade:
Praticidade: 

sábado, 21 de Julho de 2012

Bolo Gelado de Coco com Chocolate:





Quando vi esta receita da Simone fiquei babando, por sinal que receita do Chocolatria não nos enche de água na boca?!
E já estava a procura de bolos gelados a algum tempo... para tirar o Na Tigela desta inércia, por isso juntou a fome com a vontade de comer e fui fazer este bolo delicioso!


Abaixo coloco a receita da Simone, e entre parênteses as alterações feitas por mim:


Ingredientes:
330g de farinha de trigo 
30g de cacau em pó
(eu devia ter usado mais, porque o me cacau em pó não deixou a maça com cor de chocolate...)
200g de açúcar refinado 
5 ovos tamanho L
240g de leite em temperatura ambiente (1 xícara de chá) (essa medida eu achei um pouco estranha, afinal não é comum pesar o leite, mas para nada dar errado eu o fiz LOL no final consegui cerca de 280 ml de leite (o que é muito estranho já que a densidade do leite é maior que a da água...), mas acabei deixando no copo cerca de 50ml, pois se não a massa iria ficar muito líquida... portanto eu usei 230ml)
15g de fermento em pó (1 colher de sopa)
Para a calda:
1 lata de leite condensado
A mesma medida de leite
(eu usei apenas às 50 ml que haviam sobrado, pois minha quantia de leite de coco era muito maior...)
1 vidro de leite de coco (eu tinha uma lata de leite de coco aqui em casa, produzido na Filipinas, a lata possui 400ml e ao abrir foi muito, muito interessante, porque a parte de cima da lata parecia a polpa do coco raspada, e em baixo havia agua de coco, e o sabor era tão intenso... adorei! pretendo fazer mais coisas com este leite de coco!!)
Modo de Fazer: calda
Misture todos os ingredientes. Fim.
Eu coloquei todos os ingredientes no copo que acompanhou minha varinha mágica e bati com ela até tudo ficar bem misturado e não haver mais pedacinhos de polpa de coco. A minha mistura passou das 700ml por isso guardei cerca de 250ml para fazer a cobertura.
Para cobrir:
1/2 lata de doce de leite para espalhar sobre o bolo-opcional
Coco ralado desidratado previamente hidratado com 100g de leite de coco
Eu cobri o meu bolo com uma calda de chocolate culinário derretido junto com a mistura de leite de coco com leite condensado. Portanto misturei 100g de chocolate culinário (com sabor pouco doce) e às 250ml da calda, levei ao fogo até tudo estar derretido e homogéneo, e depois verti sobre o bolo. Depois coloquei cerca de 80g de coco ralado desidratado.
Modo de Fazer: Bolo
Unte e enfarinhe uma forma tamanho 1 (se quiser um bolo mais alto) ou 2 (bolo mais baixo) e pré-aqueça o forno a 180oC.
Peneire os ingredientes secos em uma tigela: a farinha, o cacau e o fermento. Reserve. (nesta etapa eu coloquei o açúcar junto, pelo facto de não estar lendo a receita ao mesmo tempo que a fazia...)
Bata as claras em ponto de neve firme. Adicione as gemas, uma a uma, sem parar de bater. Adicione o açúcar. (acabei por não adicionar o açúcar nesta hora, pois ele já estava na mistura dos secos...)
Parta para o fouet: adicione porções alternadas de secos e do leite e misture delicadamente até obter uma massa homogênea.
Verta a mistura sobre a forma preparada e leve ao forno por cerca de 30 minutos ou até espetar um palito e este sair seco. Assim que retirar o bolo do forno, faça furos com um garfo em toda a superfície do bolo. Despeje a calda e cubra com o doce de leite e o coco hidratado. (Eu coloquei a calda, deixei por algum tempo sobre a bancada, e em seguida cobri a forma com filme plástico e a coloquei no congelador, quando já estava razoavelmente gelada é que fiz a cobertura de chocolate e coloquei sobre o bolo, deixei-o mais um tempo no congelador e depois levei a geladeira) Refrigere por uma noite. No dia seguinte, corte em quadrados e embrulhe os pedaços em papel alumínio. Conserve em geladeira por até 5 dias. (eu pulei essa parte do enrolar em papel alumínio os quadradinhos, porque sempre achei um desperdício de cobertura :P)






Dificuldade:

Praticidade: